Adan Porto

CEO na agência P3,a | Desenvolver marcas para um crescimento sustentável. | Especialista em marketing digital desenvolvimento de marca

No ano de 2014, tive a grande oportunidade de participar do 2º Content Marketing Brasil. Um evento feito para rock content, e foi lá que eu tive meu primeiro contato com o termo storytelling, que irei falar sobre o termo mais a frente.

Em uma conversa as pessoas tem a maior absorção das informações quando são contadas em forma de história, gravamos muito mais uma história do que as informações como dados e estatísticas.

E sabendo disso marcas se utilizam de contar histórias na hora de construir uma campanha, para essa marca ou história que ela conta ser lembrada. E na hora de contarmos histórias utilizamos de elementos para atrair a atenção para a nossa marca.

Hoje marcas são introduzidas no meio de histórias, como por exemplo em uma novela que aparece um carro ou a marca de um celular específico, ou como uma marca de telefonia móvel se utilizou da música eduardo e mônica para sua campanha. (Sei que você já sabe qual marca é!).

Quem não lembra das histórias quando começamos com as frases.

Alô, Alô, planeta terra chamando, essa é mais uma página do diário de bordo de Lucas Silva e Silva, falando diretamente do mundo da luna onde tudo pode acontecer.

Ou a outra assim:

Senta que lá vem história!

E para quem não é dessa época a famosa.

Era uma vez.

E porque eu devo usar histórias?

1° – A sua marca se aproxima do seu cliente.

Quando contamos histórias, as pessoas se identificam e passam a se colocar no lugar de personagens e situações, a partir deste momento começamos a ter uma empatia pela marca e ela conhece nossos problemas.

2° – Humaniza

Em um outro artigo falo mais sobre humanização de marca.

Só clicar aqui.

Você deixa de ser uma empresa e passa a ter personalidade, pessoas gostam de falar com pessoas.

3° – Retém na memória

O autor Arthur Paredes, fala em seu livro PROFUNDAMENTE, neuromarketing e comportamento de consumo, sobre memória.

“Experiências, informações sensoriais e ações motoras registram aspectos do ambiente e interno do corpo através de associações. Por exemplo, podemos associar o formato, o cheiro, o sabor e a experiência de comer uma laranja, armazenando esse conjunto de elementos na memória. Ao lembrar da laranja, podemos resgatar uma experiência multissensorial que também pode ser influenciada por fatores emocionais – a laranja que você comia toda as vezes que visitava sua falecida avó, por exemplo.”

Ele explica que um simple gatilho pode ativar uma cadeia de memórias e sensações, agora imagina que sua marca ative essas memórias e passe a fazer parte delas, essas memórias são memórias de longo prazo e passaram a fazer parte da vida de seu público.

4° – Engajar seu público.

Uma história bem contada além de trazer lembranças e fazer com que seu público se aproxime da sua marca, melhora o engajamento, ele se sente mais à vontade em compartilhar suas experiências com você e com os amigos, sabe que não é mais o único a ter passado por determinada situação, e ele passa a fazer parte de um grupo. Essa sensação de pertencimento é muito poderosa.

Agora o porque deixei por último explicar o que é Storytelling? Não é somente contar história, e sim contá las de forma relevante. Você só vai se aproximar do seu público se contar a história certa da forma certa.

E como saber qual a forma certa? Definindo quem é o seu público. Você encontrará as histórias que marcam a memória deste público. Falo mais sobre como definir seu público alvo neste artigo clique aqui.

_____________________________________________________________________

Quem sou eu?

Publicitário / Designer / Especialista em marketing digital e desenvolvimento de marca.

Estou no mundo da comunicação desde os 12 anos, quando comecei a ajudar meus pais na gráfica que eles tinham, com a necessidade de trazer mais renda aos 15 passei a sair na rua com uma pasta na mão e vender materiais gráficos.

Aos 19 anos, fui para o mercado de trabalho, e passei a criar sites e fazer faculdade de publicidade. Gostei do mundo digital, e passei a me especializar. Hoje além de criar conteúdo, dou palestra.

Sempre me desenvolvendo e em busca de criar histórias.